O Coletivo Cinefusão surge, no final de 2008, a partir da iniciativa de trabalhadores de diversas áreas - cinema, jornalismo, publicidade, artes cênicas, filosofia, arquitetura, fotografia -, empenhados em criar primeiramente uma rede colaborativa que pudesse dar conta da junção dessas linguagens e também da possibilidade de abarcar potencialidades em busca de produção artística independente, mas também de reflexões concretas acerca da sociedade. É principalmente sobre este último pilar de atuação política, que o grupo vem, atualmente, pensando o cinema, sempre vinculado a outras expressões artísticas e movimentos sociais.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

"Quinteto de Cordas" está entre os filmes finalistas do 4º Cine Mube Vitrine Independente

 A 4ª edição do Cine MuBE – Vitrine Independente, festival de cinema do Museu Brasileiro da Escultura, abre espaço para o talento de jovens realizadores. No sábado, dia 4 de dezembro, à partir das 14h e até a cerimônia de premiação, às 22h30, público e participantes conhecerão os filmes finalistas do festival.

Durante todo o dia, serão exibidos os filmes em competição, 22 curtas (até 20 minutos de duração) e 5 médias-metragens, que foram selecionados pelo curador Christian Petermann, à partir de um número recorde de inscritos. Esses filmes serão assistidos por um juri, formado pelos especialistas Guilherme de Almeida Prado (diretor, produtor, roteirista), Rodrigo Salem (crítico de cinema, editor) e Lia  Vissotto (empresária e produtora cultural). O público, também, votará nos seus favoritos, nas categorias curta e média-metragem.

A coordenação geral do festival é da Diretora do MuBE, Renata Junqueira de Azevedo Silva, e o Diretor de Conteúdo e Co-Produtor é Felippe Canale. O evento, também, oferecerá um coquetel antes da premiação, ao som dos DJs Monique Maion, Le Pardí e Caveira. A entrada para as exibições no auditório Pedro Piva é gratuita.

cena do curta "Quinteto de Cordas"
 PROGRAMAÇÃO

14h O Homem e a Cidade Programa 1 (64 min)
A relação dos moradores com a cidade em sua volta é marcada por histórias pessoais, algumas reais, outras talvez lendas urbanas, mas são sempre casos que provocam mudanças... ou não.

- Vida Boa (de Marcelo Presotto, 04 min)
Operário acorda todos os dias na mesma hora para enfrentar a mesma rotina na construção civil, até retornar ao lar no mesmo horário e no mesmo transporte público. A canção é da banda Pelvs.

- Journée (de Maria Fernanda Serson, 13 min)
Uma jovem do interior chega a São Paulo com sonhos de expor numa galeria de arte suas fotografias, que exploram a arquitetura da cidade. A quem interessa?

- A Maldição de Berenice (de Valerio Fonseca, 07 min)
Afirma uma lenda que Berenice habita a lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro, e odeia casais felizes, tratando sempre de providenciar um triste fim para a mulher amada.

- Café no Bule (de Bruno Caetano, 14 min)
Café é seu apelido e ele é dos mais carismáticos e conhecidos ambulantes a trabalhar nos ônibus do perigoso trecho Grajaú-Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

- Tragédia do Tamanduá (de George V. Neri, 26 min)
Diversos olhares reconstroem um fato histórico e violento ocorrido no município de Belo Campo, na região sudoeste da Bahia, reflexo do conflito entre famílias rivais.

15h10: O Homem e a Cidade Programa 2 (59 min)

- Terrorista (de César Meneghetti, 29 min)
Percy Sampaio Camargo recorda o ano de 1969: professor de Biologia na UNESP, foi incriminado pela ditadura militar como “perigoso assaltante e assassino de pais de família”; tornou-se exilado político e retornou ao Brasil apenas em 1979.

- Variante (de Ester Fer e Pietro Picolomini, 30 min)
Um dia na rotina do trem que parte do terminal Guaianazes, na capital paulistana, e viaja até cidades vizinhas como Suzano. É uma rotina de superpopulação, jogos de carta, rádio AM e cultos evangélicos.

16h20: O Homem e as Artes (57m30)
Através da arte, o homem se expressa, se traduz, tenta se fazer compreender. E às vezes escreve uma página na História...

- Batuques, Ensaios e Sons (de Daniele Redigolo Concesa , 07m30)
Há muito que São Paulo deixou de ser o túmulo do samba, e este documentário prova isso mostrando alguns aspectos do samba paulista.

- Vanja, Mulher Rendeira (de Juliana Major, 20 min)
A atriz e cantora Vanja Orico, de grande sucesso popular nos anos 1950 e 60, fala de seu contato com Federico Fellini, do sucesso mundial de “O Cangaceiro” e da carreira internacional.

- Quinteto de Cordas (de Bruno Mello Castanho, 20 min)
Livremente inspirado no livro ‘On Chesil Beach’, de Ian McEwan, mostra-se, em quatro movimentos musicais, o romance entre uma instrumentista e um jovem.

- Noel Rosa da Silva (de Fábio Eitelberg e Pedro Biava , 10 min)
Seus pais o batizaram Noel, e o nome de família era Rosa da Silva, só anos depois ele veio a descobrir quem era o sambista e cantor Noel Rosa, cujo centenário de nascimento se comemora em 2010.

17h30: Relações: Da Infância à Velhice (61 min)
O cinema sempre flerta com histórias da “primeira idade” ou da chamada “terceira, ou melhor idade”, em nome da nostalgia, da memória ou da denúncia.

- Pimenta (de Eduardo Mattos , 15 min)
O irmão mais velho convence o mais novo de que o presente que o pai ganhou, um frasco de pimentas vermelhas em conserva, é obra do demônio.

- Breve Passeio (de Rafael Jardim, 15 min)
Mulher idosa é largada pelo filho num asilo e não conhece a neta, já menina. Ela precisa marcar um encontro às escondidas antes que seja tarde demais. Na trilha sonora, os grupos Uakti e Los Hermanos.

- Vela ao Crucificado (de Frederico Machado, 13 min)
O velório de uma criança carente revela a dor, a força e a indignação de pais sufocados pela miséria.

- Avós (de Michael Wahrmann, 12 min)
Durante o escândalo envolvendo Bill Clinton e Monika Lewinsky, nos anos 1990, menino ganha de presente uma antiga câmera super 8 e começa a fazer perguntas às avós.

- Nalu (de Stefano Capuzzi Lapietra, 06 min)
Um menino, o mar e uma prancha de surf entre eles.

18h40: Relações: Sociais (52 min)
O ser humano tem séculos de convivência e até hoje ainda não aprendeu a lidar com o próximo...

- Nego Tudo (de Leandro Goddinho, 13 min)
A Companhia de Teatro Os Crespos encena diferentes situações de racismo tendo, como fundo, projeção e trilha sonora do filme “O Nascimento de uma Nação”, de D.W. Griffith.

- Meu Avô e Eu (de Caue Nunes, 13 min)
Enquanto jovem desempregado espera para ser chamado para mais uma entrevista de trabalho, ele relembra as lições que lhe foram passadas pelo avô.

- Contra-golpe (de Pedro Gueller, 08 min)
Na cidade grande, os caminhos de um sequestrador e de um faxineiro de rodoviária cruzar-se-ão inesperadamente.

- O Capitão Chamava Carlos (de Andradina Azevedo e Dida Andrade, 18 min)
Num dos porões da ditadura militar, o capitão Carlos se prepara para mais uma noite de interrogatório e tortura.

19h40: Relações: Afetivas, Passionais, Sexuais Programa 1 (62 min)
Nenhuma outra palavra é necessária para explicar o tema.

- A Menina Metalingüística e o Garoto Melancólico (de Guga caldas, 11 min)
O garoto melancólico da história irá provar mais uma vez como a primeira impressão engana.

- Poliamor (de José Agripino, 15 min)
Numa sociedade que privilegia valores monogâmicos, há pessoas que buscam um acordo de relacionamento conhecido como poliamor.

- Eu não Quero Voltar Sozinho (de Daniel Ribeiro, 16 min)
Adolescente cego volta sempre do colégio pra casa com a melhor amiga, até o dia em que conhece o novo aluno da classe.

- Felizes para Sempre
(de Ricky Mastro, 07 min)
O documentário integra o projeto “Fucking Different São Paulo” e mostra depoimentos de diferentes lésbicas na chamada melhor idade.

- Depois do Almoço (de Rodrigo Diaz Diaz, 13 min)
Esta ficção integrou o projeto “Fucking Different São Paulo” e mostra duas amigas que, depois do almoço, vão fofocar e acabam se descobrindo mais do que previam.

20h50: Relações: Afetivas, Passionais, Sexuais Programa 2 (56 min)

- Obra-Prima (de Andréa Midori Simão e Thiago Faelli, 23 min)
Dois jovens solitários são vizinhos de prédio: ela distribui DVDs com flertes pessoais, ele faz exames de pele pra saber se suas sardas representam algum perigo.

- Solo (de Geison Ferreira e Ana Maria Saad, 33 min)
Ângelo trabalha como faxineiro num motel na cidade de São Paulo. Acostumado à sua solidão, um dia conhece Rafael, um jovem de classe média alta que lá se hospeda para fugir de seus problemas.

22h30 Exibição Especial

- De Olho no Olho (de Alan Medina e Victor Hugo Simões, 20 min) Em primeira exibição nacional, o curta mostra a grande final de um reality show nada convencional. O apresentador é personificado por Theodoro Cochrane e há participações especiais de, entre outros, Marília Gabriela, Mateus Carrieri e Patrícia Coelho.

23h Cerimônia de Premiação

SERVIÇO:
4º Cine MuBE – Vitrine Independente
Data: Sábado, dia 4/12/10, das 14 às 23 horas 
Local: MuBE (Museu Brasileiro da Escultura) - Auditório Pedro Piva -
Rua Alemanha, 221, Jardim Europa
Entrada gratuita
Classificação Indicativa: 14 anos (exceto onde indicado)

Um comentário:

  1. Parabéns a todos os envolvidos! =)
    estaremos lá.

    ResponderExcluir